Imigração e solidariedade de classe.
O internacionalismo proletário é a única maneira de evitar uma guerra entre os pobres

Guido Ricci e Alberto Lombardo, membros do Burô Político do CC do PC (Itália) para a secção teórica de “La Riscossa”


1. Introdução

A questão da imigração, dos deslocamentos de pessoas dos seus locais de origem e residência habitual para outros países para escapar das guerras imperialistas e da miséria causada pelo capitalismo, é extremamente atual não apenas na Itália e na Europa, mas em todo o mundo.

A burguesia usa esse fenómeno de forma enganosa, alterando as suas dimensões reais por meio de incessante propaganda terrorista na mídia que literalmente espalha o pânico em alguns setores da pequena burguesia, bem como na parte menos consciente e menos politizada do proletariado. O objetivo puramente político é descarregar a raiva popular pela drástica deterioração das condições de trabalho e de vida num bode expiatório, os imigrantes, que não têm responsabilidade nem pela crise capitalista nem pelas medidas antipopulares impostas pela reestruturação capitalista, que determinam o crescente empobrecimento do proletariado.

Nós, comunistas, não podemos ignorar estes problemas e devemos analisá-los em profundidade para encontrar a maneira mais eficaz de desmascarar essa tentativa de dividir o proletariado.

2. Causas económicas da imigração

Em primeiro lugar, gostaríamos de esclarecer um aspeto terminológico. O termo “migração” supõe um ato voluntário ou natural e, portanto, é completamente inadequado para definir o fenómeno de que estamos a falar. O abandono do próprio país, do local de nascimento, é uma necessidade dolorosa imposta por circunstâncias objetivas hostis que impedem a permanência no local de origem. Portanto, a partir de agora, usaremos os termos mais apropriados “emigração” e “imigração”.


As cinco características com as quais Lénine definiu o imperialismo (a concentração da produção e do capital com o consequente aparecimento dos monopólios, a fusão do capital industrial com o capital bancário para formar o capital financeiro e a formação de uma oligarquia financeira, a exportação de capital independentemente da de mercadorias, a formação de uniões monopolistas internacionais e alianças para a divisão do mundo, a divisão completa da Terra entre as maiores potências) ainda hoje são completamente válidas.

O imperialismo no sentido leninista, como categoria económica e não apenas como manifestação agressiva da sua política externa, tornou-se o sistema dominante em todo o mundo, mesmo nos antigos países coloniais, inclusive naqueles que tentam realizar projetos políticos socialmente progressistas. No entanto, essas cinco características têm um grau diferente de intensidade que varia de acordo com o país. Portanto, em sentido figurado, podemos dizer que o imperialismo se configura como uma pirâmide, no topo da qual estão aqueles países em que se desenvolveram mais essas cinco características, enquanto os países mais fracos sustentam a estrutura na base.

O facto de a pirâmide não ser estática e de, dentro dela, ocorrer um reposicionamento contínuo devido a mudanças de peso económico, político e militar, não contradiz a nossa análise. Em geral, mas nem sempre, as posições mais altas da pirâmide imperialista são ocupadas por países em que o capitalismo está estabelecido há mais tempo e, consequentemente, o proletariado também se desenvolveu mais cedo.

A posição dominante desses países, assim como as lutas sindicais, sociais e políticas do proletariado e a correlação de forças internacional, favorável à classe trabalhadora enquanto existiu a União Soviética, levaram a uma mudança no mercado de trabalho, com um crescimento temporal na repartição da riqueza distribuída aos trabalhadores na forma de salários, serviços sociais e legislação laboral que, pelo menos parcialmente, protegiam os seus direitos. Esses fatores geraram o deslocamento de massas de proletários locais para países mais ricos, fugindo de condições de miséria e exploração desumana.

A emigração, em geral, elimina os recursos humanos, físicos e intelectuais dos países mais pobres e é uma consequência do desenvolvimento desigual sob o capitalismo.
A crescente exploração e empobrecimento dos países da base da pirâmide imperialista, despojados de seus recursos naturais e humanos por monopólios multinacionais e, por seu mandato, subjugados política e às vezes até militarmente com a cumplicidade da burguesia local, é uma das causas económicas da emigração. É importante destacar que, diferentemente do sistema colonialista do passado, os capitalistas locais participam da pilhagem dos seus próprios países e povos e assumem grande responsabilidade pela sua situação de subdesenvolvimento económico e social e pelo seu envolvimento nas guerras imperialistas.

Considerar os países menos desenvolvidos como colónias e a sua burguesia como uma burguesia “nacional”, em oposição a uma suposta burguesia “especuladora”, é uma teoria anticientífica, sem base histórica e indubitavelmente errada.


A tendência de redução dos salários reais e proporcionais (também na forma de cortes nos serviços públicos, que são uma forma de salário indireto), sempre atuante no capitalismo como K. Marx demonstrou amplamente, aumentou nas últimas décadas devido a vários fatores:

1. A dissolução da URSS, que levou à plena restauração da dominação mundial do imperialismo e permitiu à burguesia recuperar quase todas as concessões que tinha sido forçada a fazer nos anos de oposição entre socialismo e capitalismo;

2. A debilidade do movimento operário, devido tanto à mudança na correlação internacional de forças como à traição dos sindicatos ligados à social-democracia e ao oportunismo;

3. A crise capitalista e, sobretudo, as medidas antioperárias e antipopulares tomadas para administrá-la.


Estes fatores mostram que o agravamento das condições de trabalho e de vida do proletariado e da maioria das classes médias nos países economicamente mais desenvolvidos não é de forma alguma atribuível à imigração, nem mesmo considerando o seu papel de “exército industrial de reserva”, mas é o efeito de uma lei objetiva do desenvolvimento capitalista combinada com opções políticas muito concretas, impostas pelo capital em seu próprio e exclusivo interesse, para não mencionar aquelas implementadas por diretrizes da UE, que afetam gravemente os direitos dos trabalhadores.


Além disso, se a emigração fosse uma opção de conveniência e não o efeito de uma necessidade dramática, a crise, que também se verifica nos países mais desenvolvidos, deveria ter desencorajado a imigração, o que não aconteceu, também porque uma das respostas do capitalismo à sua própria crise foi justamente a intensificação do roubo e da agressão militar em detrimento dos povos dos países menos desenvolvidos, determinando o seu maior empobrecimento.


Se é verdade que os fluxos emigratórios são determinados principalmente por razões económicas, isto é, com a crescente exploração e empobrecimento dos países mais fracos e com as guerras imperialistas, é igualmente verdade que a sua manipulação pela burguesia tem como objetivo político a divisão do proletariado com base na nacionalidade, religião e cultura.


Isso permite que a burguesia oculte a sua responsabilidade pelo agravamento das condições de vida do proletariado, fazendo-a aparecer como consequência da imigração, para desviar o descontentamento popular do caminho revolucionário para um caminho xenófobo e racista e continuar a oprimir tanto o proletariado do seu próprio país como o dos países menos desenvolvidos.


No entanto, a imigração desempenha um papel economicamente funcional no desenvolvimento do capitalismo.


Por um lado, aumenta as fileiras do chamado “exército industrial de reserva”, contribuindo hoje, não tanto para reduzir os salários, que já são baixos pelas razões expostas acima, mas para acalmar as lutas pelas reivindicações dos trabalhadores nacionais, enormemente precários, sob a ameaça de serem substituídos por mão-de-obra estrangeira. Não é a imigração por si que intensifica a concorrência em baixa entre os produtores. A manipulação enganosa e falsa do capitalismo nas condições dadas transforma a concorrência entre trabalhadores tomados individualmente, que sempre existiu, numa concorrência entre grupos étnicos tomados coletivamente, entre nacionais e estrangeiros.


Por outro lado, o abaixamento dos salários, os cortes nos serviços e gastos sociais públicos, o aumento do tempo real e do ritmo de trabalho, a desregulamentação do mercado de trabalho por meio de contratos atípicos que deixam ao patronato amplo espaço de manobra fraudulenta e o declínio demográfico levaram à escassez de pessoal em muitos setores da indústria, comércio e serviços. Os salários são muito baixos, as jornadas de trabalho muito longas e as condições muito precárias para serem aceites pelos trabalhadores nacionais, dado o custo social médio de reprodução da sua força de trabalho e o nível das suas necessidades na sociedade atual. Na Itália acontece com frequência, especialmente na agricultura (trabalhadores rurais) e nos setores de hotelaria, restauração e serviços de cuidados pessoais, mas também noutros serviços (logística, por exemplo) e até a indústria, serem afetados por esse fenómeno. A escassez de oferta de mão de obra deve levar ao crescimento ao menos dos salários nominais no setor em que ocorre, mas isso não acontece devido à fragmentação da classe trabalhadora e à passividade culpada dos sindicatos oportunistas, que assinam acordos em baixa como o mal menor, abandonando a luta.


A escalada do protecionismo, com a introdução de tarifas alfandegárias e a aplicação de sanções recíprocas, é o sinal de uma guerra comercial entre as principais potências imperialistas que agravará a desigualdade do desenvolvimento capitalista. Os países menos desenvolvidos economicamente, não apenas os ex-coloniais, são frequentemente exportadores de matérias-primas e importadores de produtos manufaturados. Serão obrigados a vender os seus recursos a preços ainda mais baixos, impostos pelos monopólios multinacionais que dominam o mercado de matérias-primas, e a comprar produtos acabados a preços aumentados pelas medidas protecionistas recíprocas dos concorrentes. A diferença entre essas “tesouras de preços” levará a um maior endividamento externo e a um certo agravamento da situação económica desses países, levando sua população a emigrar.

3. A manipulação política da imigração


A questão da imigração é explorada e utilizada pela burguesia como “meio de distração em massa” para diversos fins.


Em primeiro lugar, esconder a responsabilidade da classe dominante no agravamento das condições de trabalho e de vida do proletariado e de setores consideráveis das classes médias populares. Ao rotular os imigrantes como a origem de todas as desvantagens que afligem os trabalhadores, a burguesia tenta dividir o movimento operário em bases étnico-culturais, dificultando a formação de uma frente de luta unida que colocaria em risco a sua dominação.


Em segundo lugar, a propaganda terrorista de uma suposta “invasão” de imigrantes, economicamente insustentável, que colocaria em risco a própria sobrevivência da população nacional, cria pânico e serve para fazer com que o povo aceite a aplicação de medidas de “segurança” claramente visando a repressão da luta de classes e o protesto social. Foi o que aconteceu em Itália, com os decretos-lei de “segurança” impostos pelo governo de coligação Liga-M5S1 a pretexto de uma suposta “emergência imigratória”.

Além do encerramento criminoso dos portos italianos, foram estabelecidas principalmente fortes restrições ao direito de manifestação e o reforço das sanções para quem não cumprisse as novas regulamentações durante manifestações políticas e sindicais.


Em terceiro lugar, a divulgação, por autênticos provocadores, de lendas sobre subsídios imaginários à custa dos contribuintes ou pretensas concessões habitacionais preferenciais para imigrantes, tentam transformar a justa ira popular em xenofobia e racismo, distorcendo o objetivo da luta. Em vez de satisfazer as necessidades ou direitos sociais de todos, o que o Estado burguês não garante, os fascistas e outros partidos e grupos reacionários fustigam a pequena burguesia e os setores mais recuados do proletariado contra os imigrantes, refugiados e até cidadãos italianos de uma etnia diferente. No nosso país, esses acontecimentos levaram a um aumento acentuado de atos de violência racialmente motivados, pelos quais são responsáveis, não apenas grupos fascistas, mas também partidos como a Liga, que usa o fantasma da imigração para fins eleitorais.


Queremos destacar a grande responsabilidade dos governos burgueses pela falta de infraestruturas e as péssimas condições de higiene e de vida nos campos de refugiados, administrados por cooperativas e ONG que muitas vezes especulam e ganham dinheiro, aumentando as tensões com os habitantes das áreas em que estão localizados.


Uma grande responsabilidade também recai sobre a esquerda burguesa, que prefere fazer política nos salões e no parlamento em vez de a fazer nas fábricas e bairros, que não liga o refugiado e a imigração às suas causas reais e apoia a política repressiva da UE, deixando espaço para discursos racistas e forças xenófobas.


Por um lado, os governos burgueses de centro-esquerda, liderados pelo Partido Democrata2, vêm aplicando políticas antioperárias e antipopulares que produziram desorientação e revolta no proletariado e nas camadas populares, cujas condições de trabalho e de vida foram duramente atingidas. Por outro lado, têm apoiado os planos imperialistas de desestabilização em diversas áreas, interferindo nos seus assuntos internos e participando em intervenções militares que provocam o êxodo de refugiados. Apesar da retórica do “acolhimento humanitário”, de facto, as políticas de imigração e refugiados do Partido Democrata não diferem muito daquelas da direita reacionária, como atesta o decreto de “regulação de fluxos”, iniciado pelo ex-ministro do PD, Minniti, antecipando os decretos-lei muito mais severos do ex-ministro da Liga, Salvini.


Para alimentar o pânico e o alarme entre a população nacional, a propaganda reacionária promove deliberadamente a confusão entre diferentes fenómenos, entre imigração regular e irregular, entre imigração e chegada por mar, entre imigrantes e refugiados. Sobre esta questão é necessário esclarecer e definir os fenómenos com termos e dados precisos.


◦ Imigração regular

A imigração stricto sensu é composta por cidadãos estrangeiros e seus familiares residentes no país de acolhimento com autorização de residência válida. O Instituto Italiano de Estatística (ISTAT) informa que, em 1 de janeiro de 2018, havia 5 144 440 estrangeiros residentes na Itália, incluindo estrangeiros nascidos na Itália (imigrantes de segunda geração), o que equivale a 8,5% da população total residente, com um aumento de menos de 10 000 pessoas em comparação com o ano anterior.4A comparação dos dados dos últimos anos mostra, no entanto, uma desaceleração no crescimento da população estrangeira, devido tanto ao número mais restrito de entradas como ao número crescente de população estrangeira que recebe a cidadania italiana a cada ano (mortalidade e cancelamentos têm menos influência para se mudar para o estrangeiro)”5.


Ainda de acordo com o ISTAT, em 1 de janeiro de 2019, havia 5 255 503 estrangeiros residentes regulares na Itália, o equivalente a 8,71% da população total, com um aumento de 2,16% em relação ao mesmo período do ano anterior devido sobretudo aos recém-nascidos de estrangeiros residentes na Itália. O quadro1 mostra a composição por origem geográfica dos imigrantes que residem regularmente na Itália. Esses dados mostram claramente que a maioria dos imigrantes residentes na Itália são originários de países europeus (1 583 196 são originários de países da UE, o equivalente a 30,12% do total). A maior comunidade estrangeira em termos absolutos vem da Roménia, com 1 206 938 residentes regulares, equivalente a 23% do total, seguida da Albânia (441 027, igual a 8,4%), Marrocos (422 980, igual a 8%), China (299 823 igual a 5,7%) e Ucrânia (239 424, igual a 4,6%)

Quadro 1–Imigrantes residentes pororigem geográfica a 1 de janeiro de 2019

No primeiro trimestre de 2019, 46,7% dos imigrantes residentes tinham emprego, como mostra o quadro 2.

Quadro 2–Imigrantes empregados por posição e macrosetor

O quadro 2 mostra que:


• A taxa de emprego específica6 (59,80%) está bastante em linha com a da população total (58,50%) e a dos italianos (58,20%)7, embora superior, e demonstra a mentira das teorias reacionárias sobre o caráter parasitário da imigração e sobre o suposto “roubo de empregos” por imigrantes;


• A maioria dos imigrantes que trabalham são empregados, enquanto há apenas uma pequena parte dos trabalhadores por conta própria, entre os quais, dada a possível chantagem do patrão, pode ser ocultado um maior número de trabalhadores oficialmente classificados como independentes, mas empregados de facto sem proteção da segurança social ou sindical; o mesmo acontece com muitos trabalhadores italianos;

• A maioria dos imigrantes ocupados concentra-se no setor de serviços e, apenas em menor grau, na indústria e na agricultura, em linha com os mesmos dados referentes à população total e à população italiana.

O quadro 3 mostra os dados relativos aos trabalhadores imigrantes por qualificação profissional, no primeiro trimestre de 2019.

Quadro 3 Trabalhadores imigrantes por cargo profissional no primeiro trimestre de 2019

Como consequência, do ponto de vista de classe, a maioria dos trabalhadores imigrantes são proletários, pelo menos 60% do total com aproximação por defeito, devido aos critérios de classificação aplicados pelo ISTAT.


Quanto aos trabalhadores imigrantes, 78,03% estão empregados com contratos permanentes, enquanto apenas 21,97% estão com contratos a termo certo, com tendência a diminuir8. Também aqui as percentagens são ligeiramente inferiores às referentes ao número total de empregados (84,05% com contratos permanentes, 15,95% com contratos a termo) e italianos (84,78% com contratos permanentes, 15,12% com contratos a termo)9 . A comparação entre estes dados mostra como os trabalhadores imigrantes sofrem, no seu conjunto, uma situação de maior instabilidade e insegurança laboral.

Esta condição de maior desvantagem é confirmada tanto pela taxa de desemprego10, de 15% para os imigrantes contra o total de 10,6% e 10,2% para os italianos, como pela taxa de inatividade11, igual a 29,6% para os imigrantes contra 34,4% do total e 35% para os italianos (para este último valor, a diferença é determinada pela maior presença de indivíduos em idade não ativa entre a população italiana).


De referir ainda que o primeiro emprego dos imigrantes em Itália se caracteriza por uma significativa degradação profissional em relação ao seu país de origem, mais marcada para as mulheres, originalmente mais qualificadas, do que para os homens (49,5% das mulheres contra 36,5% para homens). As oportunidades de emprego pós-chegada estão concentradas em alguns empregos específicos que, sozinhos, absorvem um terço dos primeiros empregos na Itália: empregos na construção e trabalho agrícola diário para os homens, trabalho doméstico, vendas, serviços de cuidados pessoais e empregos não qualificados para as mulheres. Duas profissões, cuidadora (36%) e empregada doméstica (20%), sozinhas, absorvem 56% do primeiro emprego das mulheres imigrantes na Itália. A transição do primeiro emprego para o seguinte mostra que a degradação profissional do primeiro emprego tende a ser persistente12.


Do que foi dito até agora, em relação aos chamados “imigrantes regulares”, estrangeiros residentes na Itália com autorização de permanência regular e seus descendentes que ainda não adquiriram a cidadania italiana, algumas conclusões podem ser tiradas:


• A maioria dos imigrantes configura-se socialmente como parte do proletariado e, como tal, deve estar no foco de atenção e atuação dos comunistas, aspirando à criação de uma frente única de luta anticapitalista pelo crescimento da luta de classes, o derrube do capitalismo e o estabelecimento do socialismo;


• Os imigrantes estão em posição de desvantagem em relação aos trabalhadores nacionais, devido a barreiras tanto linguístico-culturais como socioeconómicas, sendo duplamente oprimidos pelo capital, tanto social como nacionalmente;


Os dados sobre os imigrantes seguem a linha dos valores e tendências do momento também no que diz respeito à população nativa e, portanto, não são uma anomalia ou um desequilíbrio na sociedade italiana. Ao contrário, a imigração é funcional para o capitalismo, pois sem ela setores inteiros sofreriam com a escassez de mão-de-obra.
A taxa de emprego dos imigrantes, superior à dos italianos, desmascara a mentira do seu suposto parasitismo em detrimento dos italianos. Não se deve esquecer que as sobretaxas de segurança social pagas pelos imigrantes contribuem decisivamente para as declarações financeiras do INPS13.


Os trabalhadores estrangeiros residentes são, na sua maioria, empregados sob os mesmos regimes permanentes que os trabalhadores italianos; portanto, é falso que esse tipo de imigração afete os níveis salariais. O declínio salarial é uma tendência endémica do capitalismo que afeta tanto trabalhadores imigrantes como nativos, assim como é verdade que o “exército industrial de reserva” é composto por trabalhadores nacionais e imigrantes e que a competição salarial no nível mais baixo, na realidade, não existe entre etnias diferentes, mas entre produtores, empregados ou não, independentemente da nacionalidade, crença ou cor da pele.


A composição étnica da imigração regular mostra uma grande predominância de europeus. Isso mostra o quão falso e irresponsável é o alarme, demagogicamente criado pela Liga para fins eleitorais, sobre a suposta “invasão da África” e a “situação de emergência” relacionada com ela.


5. Imigração “irregular” ou “ilegal”


Até agora falámos de imigrantes regulares. No entanto, deve ser tida em consideração a chamada “imigração irregular”, que inclui estrangeiros com autorização de residência vencida, estrangeiros a trabalhar ilegalmente com autorização de residência válida, estrangeiros desempregados sem autorização de residência, etc. Devido à própria natureza desse fenómeno, os estudos estatísticos são extremamente difíceis. Além disso, a própria definição de “imigração irregular” pode diferir ao longo do tempo. Por exemplo, algumas fontes classificam os refugiados que desembarcam nas nossas praias como irregulares, mas quando solicitam asilo já não são irregulares, a menos que sejam rejeitados; os dados quase nunca levam isso em conta, inflacionando assim a extensão do fenómeno da imigração irregular. Além disso, na linguagem coloquial, o termo “imigração irregular” tem um significado pejorativo, como se fosse um ato criminoso. Na realidade, basta que um imigrante regular perca o emprego ou deixe expirar a sua autorização de residência para entrar numa situação de “irregularidade” e ser perseguido ou expulso do país, mesmo sem ter cometido nenhum crime.

As últimas estimativas da OCDE e da Fundação ISMU14 para a Itália datam de 2017, indicando que o fenómeno é realmente marginal e não diz respeito à classe dominante. De facto, a percentagem de “imigrantes ilegais” é estimada em cerca de 0,9% dos residentes estrangeiros e cerca de 0,7% de toda a população residente15. É claro que ambas as estimativas são inconsistentes e que também não são comparáveis com a média da UE, uma vez que a última estimativa para a UE a 27 remonta a 2008.

6. Chegadas por mar e refugiados


A insistência e a forma como a mídia burguesa apresentou esse fenómeno ajudou a exagerá-lo e distorcê-lo, favorecendo assim a propaganda da Liga e dos grupos fascistas e ajudando a criar um clima injustificado de alarme e emergência no país para ganhar a aprovação popular dos Decretos de Segurança que o ex-ministro do Interior Salvini pretendia.


O encerramento dos portos e as proibições de desembarque, sendo medidas inúteis e desnecessariamente cruéis, também não são juridicamente aplicáveis, pois contrariam a Constituição italiana, os tratados internacionais e as regras do direito de navegação em resgates marítimos. É uma demagogia eleitoral cínica, feita com o sangue dos desesperados, uma espécie de “estratégia de tensão” que aspira introduzir medidas mais repressivas e autoritárias dirigidas principalmente contra o conflito social.

Do ponto de vista legal, a proibição de desembarque, obrigando os refugiados a permanecerem a bordo por longos períodos de tempo contra sua vontade e em condições insalubres, configura-se como sequestro, crime punível por lei.


Segundo declarações do ministro do Interior do novo governo, que é descrito como um “técnico” por ter sido anteriormente autarca, parece que não haverá mudanças substanciais de direção em relação às políticas do governo anterior.


Dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e do próprio Ministério do Interior contradizem a demagogia terrorista do ex-ministro da Liga.
Em primeiro lugar, vamos tentar esclarecer o turbilhão de figuras e números muitas vezes usados de forma deliberada e inadequada.


As chegadas de refugiados afetaram principalmente 5 países da UE: Itália, Espanha, Grécia, Chipre e Malta. Em geral, em toda a bacia mediterrânica, as chegadas anuais às fronteiras marítimas e terrestres destes países, detetadas pelo ACNUR, caíram do pico de 1 032 408 em 2015 para 141 172 em 2019, com um decréscimo de 86,33% 16. Só em outubro de 2015 foram 220 000 chegadas, número igual, de facto, às chegadas anuais por via marítima de 2014 e superior aos dados anuais de 2017 e 2018, mas vale lembrar que o maior impacto foi nas fronteiras da Grécia, onde chegaram mais de 211 000 refugiados, enquanto menos de 9 000 pessoas chegaram à Itália 17.


Como podemos ver, a queda das chegadas por via marítima à Itália não é consequência das políticas da Liga, mas reflete a tendência geral de queda que se verifica em todo o Mediterrâneo e em todos os países limítrofes. Quanto à Itália, as chegadas por mar diminuíram constantemente desde outubro de de 2017 18, passando de 99 126 em 2017 para 5 085 em 2019, com uma queda de 94,87% (dados atualizados em 30/08/2019), muito antes dos decretos que Salvini e a Liga queriam aprovar.19


Ainda limitado à Itália, o ACNUR deteta uma queda nas mortes e desaparecimentos no mar na rota do Mediterrâneo Central, que sempre foi a mais perigosa. De 2 887 em 2017, as mortes caíram para 1 247 em 2018, com um decréscimo de 54%, menos que proporcional à diminuição das chegadas pelo mar. No entanto, a taxa de mortalidade desta rota aumentou significativamente, de 1 óbito por cada 38 chegadas por via marítima (2,63%) em 2017, para 1 morte por cada 14 chegadas por via marítima (7,14%) em 2018, com um aumento de quase cinco pontos percentuais, devido à “redução significativa da capacidade geral de busca e salvamento” 20. Esta é a única consequência real e trágica dos Decretos de Segurança do governo da Liga M5S.


A disputa cínica sobre a questão das chegadas por mar entre as ONG e o governo italiano, ambos jogadores de um jogo feito com a pele dos refugiados com outra aposta em jogo, merece uma discussão à parte.


Do verão de 2018 ao verão de 2019, de facto, ocorreu um confronto entre a UE e o governo italiano sobre a ultrapassagem, enquanto a Itália ainda estava em recessão, dos limites estabelecidos pela UE para os principais parâmetros das finanças públicas (rácio défice/PIB, rácio dívida/PIB) que se intensificou após as eleições europeias de 2019, numa altura em que se aproximava a futura nomeação de cargos de topo nos órgãos da UE.


O capital financeiro europeu, apesar das repetidas concessões da Liga e do M5S às exigências da UE, utilizou diferentes meios de pressão, desde diferenciais de preços de compra e venda até à aplicação intransigente do Tratado de Dublin, à campanha mediática sobre o encerramento de portos a navios de ONG para garantir os seus planos de sucesso.
Especificamente, o Tratado de Dublin, ao qual o Movimento Comunista Internacional sempre se opôs, prevê que os refugiados possam solicitar asilo e permanecer no primeiro país de destino, do qual são deportados caso não cumpram esta disposição. Só na Alemanha estão a ser processados 4 602 pedidos de deportação de refugiados para o nosso país e, de facto, tiveram lugar 1 114 deportações, de novembro de 2018 até março de 2019 21.

Como mais uma demonstração de demagogia da Liga e do M5S, deve sublinhar-se que “ao votar a revisão [do Tratado de Dublin] em 17 de novembro de 2017 no Parlamento Europeu, as forças governamentais votaram contra (M5S) ou abstiveram-se (Liga), e em 6 casos entre 7, o Ministro do Interior abandonou os Conselhos Europeus em que a questão foi discutida” 22.


As ONG têm sido instrumentos de pressão da UE e, no contexto do pânico de invasão criado artificialmente pela Liga, favoreceram de facto o crescimento do consenso em relação à própria Liga e às contramedidas contra as chegadas por mar aplicadas pelo governo italiano. A artificialidade do contraste entre as ONG e o governo italiano é comprovada pelo facto de que, enquanto duras discussões decorriam na mídia sobre permitir ou não desembarcar, por exemplo, os 53 náufragos do navio da ONG Sea Watch, no mesmo período foram registadas 1 644 entradas irregulares, incluindo “chegadas por mar fantasma” e travessias de fronteira terrestre, 31 vezes mais do que a carga humana do Sea Watch 23.

Resgatar vidas humanas é um dever, mas não se pode esconder o “papel sujo” que muitas ONG desempenharam e continuam a desempenhar, favorecendo a chantagem e os planos do imperialismo e, às vezes, chegando a acordos com traficantes de seres humanos.


Para entender completamente as causas da chegada de refugiados, é útil considerar a sua origem. Com base nos dados disponíveis do Ministério do Interior, EUROSTAT e ACNUR, podemos ver que a maioria deles vem do Norte da África ou da África Subsaariana, enquanto apenas uma parte minoritária vem de países asiáticos. As razões que levam os refugiados, incluindo mulheres grávidas e menores, a partirem para a “jornada do desespero” arriscando as suas vidas, sofrendo violência e tortura nos campos de concentração líbios enquanto esperam um carregamento, pago com os seus últimos recursos, podem ser muito variadas, mas são sempre causadas, direta ou indiretamente, pela intervenção do imperialismo nos países de origem dos refugiados.

Os refugiados fogem das guerras imperialistas, mas também fogem dos países não beligerantes, afligidos pelo subdesenvolvimento, falta de expectativas, desemprego em massa, pobreza e fome a que a exploração capitalista os condenou. Eles fogem da opressão das ditaduras burguesas sangrentas e do obscurantismo religioso, que impõe estilos de vida medievais e sufoca qualquer dissidência apoiada pelo imperialismo para desestabilizar os países que se opõem aos seus planos. Eles fogem dos desastres ecológicos, causados pela exploração dos recursos naturais dos seus países por monopólios nacionais e multinacionais, que destroem o seu ambiente de vida e trabalho com a cumplicidade de governos burgueses locais corruptos e impopulares. O imperialismo italiano não é exceção: basta pensar no que a ENI fez e está a fazer na Nigéria e no Delta do Níger, onde as expropriações forçadas de grandes áreas daquele território para extração de petróleo e gás, com base na corrupção de funcionários locais, arruinaram a população local, causando um êxodo em massa.

7. A posição dos comunistas


Em primeiro lugar, os comunistas reafirmam clara e firmemente a sua solidariedade de classe com os proletários imigrantes e refugiados. Os refugiados não podem ser abandonados no mar, devem ter os cuidados médicos de que necessitam e devem ser alimentados e alojados em instalações de acolhimento adequadas em condições humanas e dignas, sob responsabilidade pública e sem envolvimento de qualquer ONG. Os pedidos de asilo devem ser aceites e concedidos num curto espaço de tempo. O Estado, as regiões e os municípios não devem restringir-se apenas à “mediação cultural”, mas devem contar com estruturas e pessoal capazes de promover a inclusão dos refugiados na sociedade e no mundo do trabalho, valendo-se também do facto de muitos deles terem um título universitário ou diploma de ensino superior.


A posse de um título não deve tornar-se um fator de discriminação para o refúgio. Nós, comunistas, opomo-nos a qualquer forma de acolhimento seletivo que aceite apenas aqueles que podem ser mais duramente explorados pelo sistema, rejeitando todos os outros, sem levar em conta o estado de necessidade em que os refugiados se encontram. Este é o pano de fundo das políticas de “regulação dos fluxos migratórios”, que levam em conta exclusivamente os interesses dos capitalistas e não as necessidades dos seres humanos.

Devem ser canceladas as medidas que prendem refugiados contra a sua vontade nos chamados “países de primeira chegada” e os aprisionam em abrigos inadequados. Deve ser assegurado o seu trânsito direto para os países de destino. Portanto, exigimos a abolição do Tratado de Dublin, do Tratado de Schengen e de todos os outros regulamentos repressivos da UE.


Também nos opomos a qualquer acordo policial internacional com as autoridades dos países de embarque, o que significaria um aumento da presença militar italiana no exterior, cujo objetivo é bloquear navios e, assim, transformar refugiados em prisioneiros em campos de detenção, onde são vítimas de violência, tortura, estupro e assassinato sumário.

Em alguns setores da esquerda burguesa, generalizou-se a ideia de que o êxodo de países economicamente subdesenvolvidos pode ser contido com o chamado “apoio ao comércio justo” e a chamada “cooperação entre Estados”, baseada no hipócrita e reacionário princípio de “ajudemo-los em casa.” Além da insignificância de “apoiar o comércio justo”, cujo volume é obviamente incapaz de resolver os problemas daqueles países e cuja “justiça” é muito duvidosa, devemos considerar que, nas condições do imperialismo dominante, qualquer forma de cooperação é, de facto, desigual em favor do país mais rico e só pode ter um caráter imperialista, o que agrava a exploração, o subdesenvolvimento e o endividamento dos países mais pobres, aumentando assim a emigração. Um exemplo disso é a Somália, uma ex-colónia italiana. Após décadas de “cooperação internacional” com a Itália, a Somália é um dos países mais devastados da África, com problemas de fome, guerra de gangues em contexto religioso, subdesenvolvimento crónico e, obviamente, isso aumentou o êxodo de refugiados através da Líbia para as costas italianas. Imaginar um resultado diferente no capitalismo é uma ilusão que deixamos à esquerda de salão, contra a qual devemos lutar.


Nós, comunistas, devemos construir uma ação política profunda dentro da classe operária, outros trabalhadores e desempregados, explicando as causas e dimensões da imigração e da necessidade de refúgio, para deixar claro que imigrantes e refugiados, oprimidos tanto ou mais que eles, não são os verdadeiros inimigos, mas sim o capital e o Estado burguês.

Também devemos fortalecer o nosso trabalho político no seio dos trabalhadores imigrantes e das suas comunidades, ajudando-os a superar o condicionamento cultural e religioso, dotando-os das ferramentas teóricas e políticas para que compreendam os seus direitos e se unam à luta de classes.


A ação político-cultural dentro da classe e entre os imigrantes é necessária, mas não suficiente. É também necessário desenvolver a nossa atividade ao nível dos sindicatos e dos movimentos de massas. Se o objetivo do inimigo de classe é dividir a frente operária para exacerbar a concorrência entre os trabalhadores, desencadear uma “guerra entre os pobres” para preservar os lucros e a dominação política do capital, as tarefas dos comunistas devem ser a restauração da unidade de classe e o início de um ciclo de lutas que una trabalhadores nacionais e estrangeiros e exija a generalização e extensão de todas as proteções sociais e sindicais, aumentos salariais e acesso de todos aos serviços, educação, saúde, cultura e habitação.


É necessário desenvolver plataformas de luta capazes de unir os trabalhadores com palavras de ordem baseadas nas suas necessidades imediatas e comuns.


A título de exemplo, o estabelecimento de um salário mínimo suficiente garantido por lei, estruturado por categoria, função e antiguidade profissional, com restrições que não permitam a redução ao mínimo legal dos níveis salariais alcançados por meio de negociação coletiva nacional e empresarial, limitaria a concorrência entre os trabalhadores.

Este ponto deve ser colocado num contexto mais amplo de luta por aumentos salariais gerais para recuperar o que foi perdido na última década e restaurar a indexação salarial medida sobre a inflação real e sobre uma cesta de produtos realista para o cálculo do custo de vida.


Para resolver a emergência habitacional, privando assim os partidos reacionários e grupos fascistas de um dos principais argumentos racistas que usam para enfrentar italianos e imigrantes, é necessário promover a luta pela expropriação sem indemnização das casas devolutas na posse dos bancos, entidades financeiras, grandes imobiliárias e o Vaticano, e pelo relançamento da habitação social pública, entendida não como uma superconstrução selvagem de bairros, mas como um novo desenvolvimento do território de acordo com as necessidades dos trabalhadores e das camadas populares. Estes são objetivos de luta parciais, mas imediatos, concretos e compartilháveis, nos quais os interesses de todos os trabalhadores podem convergir objetivamente.


Além disso, devemos desenvolver uma luta efetiva contra o envolvimento da Itália e das suas forças militares em intervenções e guerras imperialistas, pela proibição do uso do território italiano, espaço aéreo e águas territoriais para fins agressivos, pelo encerramento das bases norte-americanas na Itália e pela retirada da NATO.


Devemos estar cientes de que nenhum interesse ou direito do povo trabalhador pode ser conquistado plena e definitivamente no capitalismo. No entanto, se esses objetivos imediatos e outros importantes objetivos económicos fossem inseridos num quadro de luta política revolucionária, eles ajudariam a restaurar a unidade e a consciência de classe, superando os pretextos usados pela burguesia para dividir a frente operária.


Recuperando a essência da carta de 9 de abril de 1870 de Karl Marx para Siegfried Meyer e August Vogt sobre a situação dos trabalhadores irlandeses, destacamos a conexão dialética entre a emancipação do proletariado nos países mais e menos desenvolvidos. O crescimento do movimento revolucionário nos países pobres, onde há uma forte presença proletária, só pode favorecer a revolução socialista nos países ricos e vice-versa, confirmando mais uma vez o interesse comum do proletariado mundial.


A caridade religiosa, o mutualismo, o “comércio justo solidário” e outras ilusões da esquerda burguesa não libertam o proletariado desses países da emigração das cadeias do imperialismo. Em vez disso, precisamos fortalecer os laços e o espírito do internacionalismo proletário, para o derrubamento do capitalismo e do poder burguês em cada país, em particular no nosso. A luta contra o nosso imperialismo “pátrio” e os interesses dos monopólios do nosso próprio país, bem como contra a guerra imperialista, pela rutura de alianças imperialistas como a UE e a OTAN, é parte integrante da luta de classes revolucionária, cuja internacionalização responde a essa relação dialética e favorece o avanço da revolução proletária para uma sociedade socialista de seres humanos livres e iguais, na qual ninguém será obrigado a abandonar a sua casa para emigrar.

1 Acrónimo de “Movimento 5 Estrelas”

2 Partido Democrático

3 ISTAT, VitaePercorsidiIntegrazionedegliImmigratiinItalia, p. https://www.istat.it/it/files//2019/05/Vita-e-percorsi.pdf

4 ibidem

5 Ibidem. 37

6 A taxa de emprego é calculada como a razão entre a população empregada em idade ativa e a população de referência (ISTAT, Glosario) 38

7 ISTAT, 39 Lavoro e Retribuzioni, Offerta di Lavoro, Tasso di Occupazione in/http://dati.istat.it

8 ISTAT, Dati e Indicatori su Immigrati, in http://stra-dati.istat.it/

9 ISTAT, Lavoro e Retribuzioni, Offerta di Lavoro, Occupazione, in http://dati.istat.it/

10A Taxa de Desemprego é calculada como a razão entre os candidatos a emprego e o correspondente
força de trabalho atual, definida como a soma de empregados e desempregados (ISTAT, (Glossário)

11 A Taxa de Inatividade é calculada como a razão entre as pessoas que não pertencem à força de trabalho e a população de referência (ISTAT, Glosario)

12ISTAT, Vita e Percorsi di Integrazione degli Immigrati in Italia, en https://www.istat.it/it/files//2019/05/Vita-e-percorsi.pdf

13 Autoridade Nacional de Segurança Social Italiana

14 (N. del T.) Fundação para Iniciativas e Estudos sobre Multietnicidade.


15 https://www.infodata.ilsole24ore.com/2018/07/14/immigrazione-irregolare-quanti- clandestini/

16 Fonte: ACNUR


17 https://www.agi.it/data-journalism/morti_migranti_mediterraneo_dati-5605198/news/2019-06-05/


18 Fonte: ACNUR

19 Fonte: Ministério do Interior da República Italiana


20 Fonte: ACNUR

21 Fonte: Il Sole 24 Ore, 26/06/2019


22 Fonte: ibidem


23Fonte: ibidem