A Inevitabilidade da Guerra entre Países Capitalistas

I.V. Stalin

  Alguns camaradas sustentam que, devido ao desenvolvimento de novas condições internacionais desde a Segunda Guerra Mundial, as guerras entre países capitalistas deixaram de ser inevitáveis. Consideram que as contradições entre o campo socialista e o campo capitalista são mais agudas do que as contradições entre os países capitalistas; que os E.U.A. que os outros países capitalistas têm colocado  outros países sob o seu domínio o suficiente para os impedir de entrar em guerra entre si e de se enfraquecerem uns aos outros; que as mentes capitalistas anteriores foram suficientemente ensinadas pelas duas guerras mundiais e pelos graves danos que causaram a todo o mundo capitalista para não se aventurarem a envolver novamente os países capitalistas em guerra uns com os outros - e que, devido a tudo isto, as guerras entre países capitalistas já não são inevitáveis.

Estes camaradas estão enganados. Veem os fenómenos externos que vêm e vão à superfície, mas não veem aquelas forças profundas que, embora até agora estejam a operar impercetivelmente, determinarão no entanto o curso dos desenvolvimentos.



No exterior, tudo parece estar a "correr bem": os EUA colocaram a Europa Ocidental, o Japão e outros países capitalistas sob o seu jugo; a Alemanha (Ocidental), Grã-Bretanha, França, Itália e Japão caíram nas garras dos EUA e estão a obedecer mansamente aos seus comandos. Mas seria um erro pensar que as coisas podem continuar a "correr bem" por "toda a eternidade", que estes países tolerarão o domínio e a opressão dos Estados Unidos infinitamente, que não se esforçarão por se libertar da escravidão americana e tomar o caminho do desenvolvimento independente.

Tomemos, antes de mais nada, a Grã-Bretanha e a França. Sem dúvida, são países imperialistas. Sem dúvida, as matérias-primas baratas e os mercados seguros são para eles da maior importância. Pode presumir-se que irão tolerar infinitamente a situação atual, na qual, sob o pretexto de "ajuda ao plano Marshall", os americanos estão a penetrar nas economias da Grã-Bretanha e França e a tentar convertê-las em agregados da economia, e o capital americano está a confiscar matérias-primas nas colónias britânicas e francesas e, assim, a conspirar para os elevados lucros dos capitalistas britânicos e franceses? Não seria mais verdadeiro dizer que a Grã-Bretanha capitalista, e, depois dela, a França capitalista, acabará por ser obrigada a romper com o abraço dos EUA e entrar em conflito com ela, a fim de assegurar uma posição independente e, claro, elevados lucros?

Passemos aos principais países derrotados, Alemanha (Ocidental) e Japão. Estes países estão agora a definhar na miséria sob a chancela do imperialismo americano. A sua indústria e agricultura, o seu comércio, as suas políticas externa e interna, e toda a sua vida são entravados pelo "regime" de ocupação americana. No entanto, ainda ontem estes países eram grandes potências imperialistas e estavam a abalar as fundações do domínio da Grã-Bretanha, dos EUA e da França na Europa e na Ásia. Pensar que estes países não tentarão voltar a pôr-se de pé, não tentarão esmagar o "regime" dos EUA, e forçar o seu caminho para o desenvolvimento independente, é acreditar em milagres.

 Diz-se que as contradições entre o capitalismo e o socialismo são mais fortes do que as contradições entre os países capitalistas. Teoricamente, é claro, isso é verdade. Não é apenas verdade agora, hoje; era verdade antes da Segunda Guerra Mundial. E foi mais ou menos percebido pelos líderes dos países capitalistas. No entanto, a Segunda Guerra Mundial começou não como uma guerra com a URSS, mas como uma guerra entre países capitalistas. Porquê? Em primeiro lugar, porque a guerra com a URSS., como terra socialista, é mais perigosa para o capitalismo do que a guerra entre países capitalistas; pois enquanto a guerra entre países capitalistas põe em causa apenas a supremacia de certos países capitalistas sobre outros, a guerra com a URSS. deve certamente pôr em causa a existência do próprio capitalismo. Em segundo lugar, porque os capitalistas, embora clamem, para fins de "propaganda", sobre a agressividade da União Soviética, não acreditam eles próprios que ela seja agressiva, porque estão conscientes da política pacífica da União Soviética e sabem que ela própria não irá atacar os países capitalistas.

Após a Primeira Guerra Mundial, acreditava-se igualmente que a Alemanha tinha sido definitivamente posta fora de ação, tal como certos camaradas acreditam agora que o Japão e a Alemanha foram definitivamente postos fora de ação. Então, também foi dito e clamado na imprensa que os Estados Unidos tinham colocado a Europa sob o seu jugo; que a Alemanha nunca mais se levantaria e que não haveria mais guerras entre países capitalistas. Apesar disso, a Alemanha ergueu-se de novo como uma grande potência no espaço de cerca de quinze ou vinte anos após a sua derrota,  tendo saído da escravidão e tomado o caminho do desenvolvimento independente. E é significativo que não foi senão a Grã-Bretanha e os Estados Unidos que ajudaram a Alemanha a recuperar economicamente e a aumentar o seu potencial de guerra económica. Naturalmente, quando os Estados Unidos e a Grã-Bretanha ajudaram a recuperação económica da Alemanha, fizeram-no com vista a colocar a Alemanha recuperada contra a União Soviética, para a utilizar contra a terra do socialismo. Mas a Alemanha dirigiu as suas forças, em primeiro lugar contra o bloco anglo-franco-americano. E quando Hitler declarou guerra à União Soviética, o bloco anglo-franco-americano, longe de se juntar a Hitler, foi obrigado a entrar numa coligação com a URSS contra a Alemanha Nazi.

 Consequentemente, a luta dos países capitalistas pelos mercados e o seu desejo de esmagar os seus concorrentes provou na prática ser mais forte do que as contradições entre o campo capitalista e o campo socialista.

 Que garantia há, então, de que a Alemanha e o Japão não voltarão a erguer-se, não tentarão sair da escravidão americana e viver as suas próprias vidas independentes? Penso que não existe tal garantia.

 Mas daí decorre que a inevitabilidade das guerras entre países capitalistas permanece em vigor.

 Diz-se que a tese de Lenine de que o imperialismo inevitavelmente gera guerra deve agora ser considerada obsoleta, uma vez que forças populares poderosas se apresentaram hoje em dia em defesa da paz e contra outra guerra mundial. Isso não é verdade.

 O objetivo do movimento pacifista atual é despertar as massas populares para a luta pela preservação da paz e pela prevenção de uma outra guerra mundial. Consequentemente, o objetivo deste movimento não é derrubar o capitalismo e estabelecer o socialismo - ele limita-se ao objetivo democrático de preservar a paz. A este respeito, o movimento de paz atual difere do movimento da época da Primeira Guerra Mundial para a conversão da guerra imperialista em guerra civil, uma vez que este último movimento foi mais longe e perseguiu objetivos socialistas.

 É possível que, numa conjuntura definida de circunstâncias, a luta pela paz evolua aqui ou ali para uma luta pelo socialismo. Mas então deixará de ser o atual movimento pela paz; será um movimento pelo derrube do capitalismo.

 O mais provável é que o movimento pela paz atual, como movimento pela preservação da paz, se for bem sucedido, resultará na prevenção de uma guerra particular, no seu adiamento temporário, na preservação temporária de uma paz particular, na demissão de um governo belicoso e na sua substituição por outro que esteja preparado temporariamente para manter a paz. Isso, evidentemente, será bom. Mesmo muito bom. Mas, mesmo assim, não será suficiente para eliminar a inevitabilidade das guerras entre países capitalistas em geral. Não será suficiente, porque, para todos os sucessos do movimento de paz, o imperialismo permanecerá, continuará em vigor - e, consequentemente, a inevitabilidade das guerras também continuará em vigor.

 Para eliminar a inevitabilidade da guerra, é necessário abolir o imperialismo

Fonte: http://www.idcommunism.com/