O Santander Portugal (…) obtendo 172,9 milhões de euros entre janeiro e junho. No mesmo período de 2019, tinha chegado aos 275,9 milhões.

(https://expresso.pt/economia/2020-07-29-Lucro-do-Santander-em-Portugal-cai-37.-Grupo-espanhol-teve-prejuizos-historicos-de-11-mil-milhoes)

O BCP foi o que mais lucro perdeu. O banco liderado por Miguel Maya, anunciou uma quebra de 77% no seu lucro líquido entre janeiro e março deste ano. Registou um resultado líquido de 35,3 milhões de euros, menos 118,5 milhões de euros do que o lucro obtido no período homólogo de 2019. O BCP registou provisões de 78,8 milhões de euros para acomodar futuros impactos da crise.

O BPI, do espanhol Caixabank, lucrou menos 42,9 milhões de euros, tendo o lucro caído 87% para 6,3 milhões de euros. O banco contabilizou 32 milhões de euros de imparidades no crédito.

A CGD teve uma quebra de 40 milhões de euros no seu lucro, que se situou em 86 milhões de euros no final de março deste ano.

Quanto ao Santander, lucrou 118,9 milhões de euros, menos 18,4 milhões de euros do resultado obtido no primeiro trimestre do ano passado. O banco liderado por Pedro Castro e Almeida reforçou as suas provisões em 30 milhões de euros.

(https://www.dn.pt/edicao-do-dia/20-mai-2020/crise-tira-220-milhoes-aos-lucros-dos-bancos--12214913.html)

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) foi quem mais dinheiro colocou de lado: 156 milhões de euros. Seguiram-se Novo Banco (138 milhões), BCP (109 milhões) e Santander Totta (101 milhões). O BPI guardou 83 milhões para a crise.

(https://eco.sapo.pt/2020/08/01/virus-encolhe-lucros-maiores-bancos-poem-de-lado-580-milhoes/)