Aos anarco-sindicalistas fareis compreender, citando o exemplo dos trabalhadores italianos quando da ocupação das fábricas, que se não pode fazer uma revolução económica sem fazer também uma revolução política. Expulsar os patrões das oficinas não é suficiente; é necessário ainda expulsar a burguesia do Estado, da polícia, do exército, que são forças de defesa graças às quais ela se pode manter contra o proletariado.

Logo que seja derrubado o poder burguês é necessário que seja criado o poder revolucionário, o governo operário e camponês, capaz de centralizar as forças de defesa do proletariado contra a contrarrevolução que desencadeará a guerra civil e a guerra no exterior. Se os revolucionários russos tivessem lutado sem disciplina e em grupos dispersos, se eles não tivessem criado um Exército Vermelho bem organizado e centralizado, de forma a fazer frente aos exércitos bem organizados do imperialismo mundial, não conseguiriam vencer como venceram.

Da intervenção de Humbert Droz, delegado da Internacional Comunista ao 1.º Congresso do PCP (10-12/11/1923). http://www.ges.pcp.pt/bibliopac/imgs/com207.pdf