Um velho filósofo francês afirmou: “Quando se conhece um homem, não se pode odiá-lo”. Conheci os dirigentes da União Soviética. São um grupo de homens capazes e fortes. Estou em desacordo com eles em muitos aspetos; mas reconheço neles, especialmente, duas coisas: a honestidade das suas convicções e a integridade dos seus propósitos. Na minha opinião, esses homens creem, como eu, que estão procedendo retamente. Quanto à causa da paz, tanto por motivos ideológicos como práticos, pouca dúvida deve existir a respeito do interesse russo em conservá-la, pois a sua maior segurança residirá precisamente nela. Cheguei a ter profundo respeito e afeto pelo povo russo. Possui ele grandes qualidades de imaginação e idealismo, refletidos exuberantemente na sua literatura, na sua arte e na sua música. Possui também grandes qualidades espirituais, que se transformaram em aspirações por melhores condições de vida para o comum dos homens, o que demonstraram heroicamente através da sua capacidade de realizar o supremo sacrifício da própria vida pela causa em que acreditam.  

Joseph E. Davies (Embaixador dos EUA na URSS, entre 16/11/1936 e 11/06/1938) – Excertos da obra “Missão Em Moscovo”, Editorial Calvino Ld.ª, 2.ª edição, Rio de Janeiro, 1943 – p. 16.